quarta-feira, 23 de maio de 2018



Título: Uma longa jornada
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Arqueiro
Ano: 2014
Número de páginas: 288

“Nós partilhamos a mais longa jornada, essa coisa chamada vida”

Em seus 91 anos de idade Ira Levinson não previra o que poderia lhe acontecer naquele sábado, e mais problemas de saúde que gostaria de contar sofre um terrível acidente de carro. Enquanto luta para se manter acordado e esperar que alguém o resgate, a imagem trêmula da mulher que amou durante toda sua vida surge diante de seus olhos.  Mesmo sabendo que Ruth, sua esposa, não estava verdadeiramente ali, ela havia morrido a nove anos, Ira agradece por aquele bálsamo e relembra os momentos que mais importantes de suas vidas: os dias em que se conheceram na juventude, os problemas causados pela Segunda Guerra Mundial, o casamento e a paixão dos dois pela arte.
Não muito longe de onde Ira se encontra, quatro meses antes, Sophia Danko aceita ir a um rodeio com sua amiga Marcia. Lá acaba sendo importunada por seu ex-namorado e é neste momento em que conhece Luke Collins, seu salvador, um caubói que acabou de vencer a competição do rodeio em que estava.  Os dois começam a conversar, percebendo de cara o quanto era fácil e simples estarem juntos. Enquanto Sofia se esforçava para terminar seu curso de História da Arte, Luke se esforçava para que a mãe não perdesse a fazenda em que moravam e trabalhavam.
Cada capítulo trás a perspectiva de um dos personagens e, apesar de serem casais de duas gerações diferentes, percebemos a força que o verdadeiro amor pode exercer sobre as maiores dificuldades da vida.
Uma longa jornada, de Nicholas Sparks, é um daqueles livros em que começamos, já sabendo o final, mas que não conseguimos parar de ler até a última página.
Por Íris Constantino
Frases destacadas durante a leitura:
“Acho que as pessoas tendem a pôr seus primeiros amores em pedestais”.
“A questão é que as pessoas nunca entendem que nada é exatamente como pensam que será”.
“Entendo que o amor e a tragédia andam de mãos dadas, porque não podem existir sozinhos, mas ainda assim me pergunto se a troca é justa”.

Conheça outros livros do autor:
O melhor de mim
Um porto seguro
Diário de uma paixão

terça-feira, 15 de maio de 2018



Título: Quem é você, Alasca?
Autor: John Green
Editora: Intrínseca 
Ano: 2014
Número de páginas: 188

ATENÇÃO: CONTÉM SPOILER

            Quem é você, Alasca?, é o primeiro livro publicado pelo autor best seller John Green, nele encontramos o, absolutamente comum, Miles Halter. Miles vive em uma pequena cidade da Flórida da qual não se arrepende em nada de deixar para trás ao ir em busca de seu "GRANDE TALVEZ" na escola interna Culver Creek, no Alabama.
           É nesta escola que nosso protagonista, enfim, parece encontra um lugar no mundo e amigos para compartilhar as novas descobertas que vão surgindo em sua nova vida, é assim que Coronel, Takumi, Lara e Alasca tornam-se o novo (e primeiro) ciclo de amizade de Miles, cada um com uma personalidade diferenciada, mas que sabem como funcionam as coisas na escola.
            Neste ponto conhecemos a tão famosa Alasca, fascínio de muitos, uma garota temperamental, extrovertida, linda e enigmática que cativa o coração de todos. Muito jovem Alasca perdeu sua mãe e o fato de não ter tido a iniciativa de ligar para a emergência quando a viu entra em convulsão a atormenta em todos os seus dias.
        O livro é dividido em duas partes: o antes e o depois da morte Alasca. O antes está exclusivamente baseado na vivência de Miles e de seus novos amigos na escola, o depois centra-se na tentativa do grupo de descobrir o que teria causado a morte de Alasca, teria sido um acidente comum de carro ou um suicídio para da fim ao "labirinto"? 
            Achei interessante a forma como o autor abordou os temas do cigarro e da bebida, embora ache que tudo ficou muito banalizado, mesmo assim as reflexões feitas pelo autor são de fundamental importância para nos mostrar o quanto essa fase do desenvolvimento acarreta questionamentos importantes para continuar vivendo em nossa sociedade (talvez esteja exagerando, mas sempre estou me questionando sobre o que vivi neste período e no quanto isso afeta ou afetou quem sou hoje).
            Como lidar com a culpa? O sofrimento? Quando nada mais parece fazer sentido, o melhor jeito é mesmo deixar o labirinto de uma forma rápida e definitiva? E como lidar com a perda, quando ela é tão certa e inevitável?

Por Íris Constantino
             
Algumas frases destacadas durante a leitura:

"Não dá para simplesmente ficar prolongando certas coisas para sempre. Chega um momento em que o melhor a se fazer é arrancar o Band-Aid. Isso dói, mas depois passa, e então vem o alívio."

"Não posso ser uma dessas pessoas que ficam sentadas falando que pretendem fazer isso e aquilo. Eu vou fazer e pronto. Imaginar o futuro é uma espécie de nostalgia."

"Acima de tudo, eu sentia a injustiça daquilo, a inegável injustiça de amar alguém que talvez também me amasse, mas que agora não podia fazer nada porque estava morta."

OBS: Há boatos de que  livro será adaptado em uma série de 8 capítulos, corram para ler!!

quarta-feira, 9 de maio de 2018


Título: O Médico e o Monstro
Autor: Robert Louis Stevenson

Editora: Hedra
Ano: 2012
Número de páginas: 114

É comum ouvirmos por aí que o ser humano possui uma personalidade múltipla ou, como diriam alguns, que nos utilizamos de máscaras para nos adaptarmos a cada espaço. Independentemente da definição para esta verdade, somos formados por dois lados distintos: o bem e o mal.
E se fosse possível criar uma substância com a qual fosse pudéssemos separar essas duas partes do ser humano? Quais seriam os resultados?
O médico e o monstro, clássico da literatura inglesa, nos conta a história de Henry Jekyll, médico bem sucedido e de grande importância na sociedade britânica e que, por este motivo, se sente obrigado a aprisionar o lado mais obscuro de sua constituição humana. Sendo assim, fica em abstinência de seus desejos "inconfessáveis".
Na tentativa de separar estas duas partes de si mesmo, o Dr. Jekyll cria uma certa substância capaz de externar seu lado obscuro, que por não ter sido muito desenvolvido em sua vida, acaba por ser hum homem de baixa estatura, deformando e inescrupuloso, que possui em sua expressão a mais completa hostilidade e falta de caráter possível a uma pessoas. É assim que tomamos conhecimento do Edward Hyde. Sendo Hyde, Jekyll consegue usufruir dos prazeres da vida sem que sua reputação sofra abalos.
Mas o que o doutor não sabia é que o gênio maligno de Hyde ultrapassaria todos os limites e mataria Sir Danvers Carew, e que começaria a ter controle sobre as transformações dos dois. Henry entra em desespero e definha a cada dia tentando aprisionar em si mesmo "o filho do inferno" que despertara e trouxera ao mundo.
Sabemos por fim que a consciência virtuosa de Jekyll morre deixando para trás apenas Hyde e que este comete suicídio antes que seja capturado pela polícia por seu crime e condenado a forca.
O livro é incrível, apesar de curtinho, é uma leitura prazerosa e nos faz questionar sobre nossa essência enquanto seres humanos. Até que ponto estamos dispostos a dar vasão aos nossos sentimentos e desejos mais profundos e aonde estes nos levariam?

Por Íris Constantino
Frases destacadas durante a leitura:
"Eu arrisco a suposição de que o homem acabará sendo reconhecido como uma assembleia de inquilinos múltiplos, incongruentes e autônomos" "Comecei a perceber, mais profundamente do que alguém jamais afirmou fazê-lo, a trêmula imaterialidade, a transitoriedade de névoa deste corpo aparentemente tão sólido que nos serve de vestimenta"
"Porque aprendi às minhas próprias custas que a desgraça e fardo da existência estão pousados para sempre nos nossos ombros, e quando tentamos nos ver livres deles o seu peso volta a nos oprimir com uma pressão inaudita e ainda mais terrível"

sexta-feira, 4 de maio de 2018






Título: A Química
Autora: Stephenie Meyer
Editora:Intrínseca
Ano: 2016
Paginas: 495

Lançado em novembro 2016, A Química é o segundo livro voltado para o público adulto da escritora americana Sthephenie Meyer. Saindo completamente da mitologia vampiresca do universo da saga Crepúsculo, pelo qual a autora se tornou conhecida, é através de seu mais novo lançamento que Meyer nos insere em uma história ficcional em que a luta pela vida e o melhor que ela pode oferecer é o ponto central.
A história gira em torno da ex-agente de uma organização secreta do governo dos Estados Unidos (tão sigilosa que não possui nem nome), Juliana Fortis, formada em medicina e especialista em conseguir informações através de “torturas limpas” e pesquisas secretas demais para o seu próprio bem. Depois da morte de seu parceiro de laboratório, Dr. Barnaby, ela sabia que viriam atrás dela em um momento ou outro e, para proteger a si mesma, foge de sua vida, deixando pessoas furiosas atrás dela que a querem morta.
Após três anos de fuga contínua, duas vezes o “departamento” quase a alcançou, mas, sempre precavida, conseguira escapar deixando o mínimo de rastros para trás. Um dia ela recebe uma mensagem de seu antigo superior lhe convocando para uma reunião, ainda que temerosa ela se apresenta a Carstson e recebe a missão de interrogar um homem acusado de querer soltar uma arma biológica por toda costa do país, se o ajudasse sua dívida com o “departamento” estaria  quitada e ela estaria livre das perseguições.
O que Juliana, ou melhor, Alex não sabia era que estava se metendo em uma enrascada maior do que o previsto por ela. Daniel Beach não correspondia em nada aos arquivos que havia recebido de seu antigo chefe e todos os meios que conhecia de torturas químicas não surtiam o efeito esperado. Daniel permanecia em silêncio, sobre os planos da arma biológica.
É neste momento que as coisas começam a se complicar, no meio de suas tentativas de desvendar os segredos que pareciam não existir daquele homem estranhamente amistoso, Alex tem um encontro quase que fatal com o irmão gêmeo de Daniel, Kevin Beach, ex-agente da CIA e até então morto e que não estava nos arquivos recebidos.  Depois de lutarem percebem que estavam sedo utilizados como marionetes tanto pela CIA quanto pelo “departamento” de Alex e que Daniel era apenas um meio de fazer com dois escorpiões se enfrentassem. Os dois decidem então trabalhar juntos para pôr um fim nas ameaças que os dois estavam sofrendo.
E como não poderia ser um livro de Stephenie, precisamos de um pouco de romance, Alex e Daniel se veem  completamente atraídos um pelo outros, mas a vida de fuga e medo constante não facilita em nada a vida de ambos, e uma amizade inesperada por Kevin fazem com que a vida fugindo de riscos vire completamente para uma corrida em direção a eles. Daniel e Kevin se tornam os fardos de Alex. A médica pragmática que não sabia  como lidar com pessoas ou como se comportar diante delas foi deixada para trás.
De modo geral a história é bem envolvente em suas descrição e cenas. A autora criou mais uma personagem feminina forte  e decida de habilidades particulares que luta por aqueles que ama acima de tudo, mas, tenho que admitir, que a problemática não é tão cativante como em A hospedeira (primeiro livro adulto da autora), achei que o desfecho da história deixou um pouco a desejar, ainda assim, recomendo a leitura.

Frases que destaquei durante a leitura:
“Medo da perda e medo de ter, porque isso possibilitava a perda”
“Às vezes, a gente se agarra a um erro simplemente porque levou tempo demais para cometê-lo”
Por Íris Constantino.

Conheça  os outros livros da autora:
A Hospedeira
A saga Crepúsculo:
Livro 1: Crepúsculo
Livro 2: Lua nova
Livro 3: Eclipse
Livro 4: Amanhecer
Livro extra: A breve segunda vida de Bree Tunner

quarta-feira, 25 de abril de 2018



Título: Na minha pele
Autor: Lázaro Ramos
Editora: Objetiva
Ano:2017

Número de páginas: 148

“Seu lugar é aquele onde você sonha estar”

Mesmo com todas as modificações pelas quais nossa sociedade vem passando no decorrer dos anos, a presença constante de discriminações raciais é uma realidade cada vez mais presente na vida de milhões de brasileiros negros, lutar contra tais atitudes ainda é algo árduo, pois tais pensamentos estão arraigados na mente de muitos. É a partir dessa observação e de inúmeros relatos de sua própria vida que o ator, escritor e diretor Lázaro Ramos nos insere no universo do livro Na minha pele.
Com bom humor e uma escrita tão cativante quanto o próprio autor, passamos a analisar a saga empreendida por Lázaro durante sua vida para a conquista do lugar que ocupa na sociedade, sempre levantando a bandeira contra o preconceito racial, apontando questionamentos sobre a profissão de ator enquanto negro na mídia brasileira. Na minha pele nos mostra um novo ponto de vista do “ser negro” dentro de nossa sociedade.
“Seu lugar é aquele onde você sonha estar”, esta frase, em específico, ficou a martelar meus neurônios no decorrer de toda a leitura. Será mesmo que nos são dados os direitos de sonharmos com qualquer posição social que desejarmos? É evidente que as diferenças entre a população negra e branca são gritantes. Pensar e questionar tais diferenciações é o primeiro passo para a modificação da sociedade. A leitura desta obra faz com que reflitamos sobre como nos comportamos e pensamos sobre o racismo dentro da população de nosso país.
Ao escrever Na minha pele, Lázaro traz à tona as diversas vozes de negros e negras desconhecidos pela a grande mídia, mas que possuem muito a ensinar sobre aceitação, amor às origens, afetividade e um novo modo de ver o negro em sua totalidade e singularidade.
Que possamos sair de nós mesmos para, pelo menos na experiência de leitura, vestir a pele do outro e navegar por um mundo novo lindo e rico.

“Não há vida com limite preestabelecido. Seu lugar é aquele em que sonhar estar”

Por: Íris Constantino

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Titulo: Os sete Reinos de Olivarum - A princesa de Ônix
Autor: Jadna Alana
Editora: Coerência
Ano: 2017

Em um mundo onde a magia é possível, sete Reinos foram criados pela Trindade Iniciadora, cada um governado por uma raça de seres mágicos. Aos Anjos foi entregue o Reino de Diamante; às Fadas o domínio do Reino de Esmeralda; às Sereias foi entregue o Reino de Safira; o Reino de Rubi tem como governantes os Vampiros; O reino de Jaspe é liderado pelos Licantropos; aos bruxos coube governar o Reino de Ônix e, por fim, aos feiticeiros foi destinado o Reino de Pérola. Todos os reinos juntos formam Os sete Reinos de Olivarum.
É neste universo fantástico criado pela escritora Jadna Alana que tomamos conhecimento da história de Amie Bell, a jovem princesa bruxa do Reino de Ônix.
Nervosa com a magia que é obrigada a executar em sua festa de aniversário de 18 anos e, incomodada por ser o centro das atenções, Amie acaba atrapalhando-se com toda aquela expectativa que colocavam nela e, em uma confusão entre feitiços, se teletransporta para uma floresta distante do Castelo de Ônix.
Perdida e sem saber como voltar para casa Amie conhece alguns integrantes do Clã do Pacto, uma organização que luta contra a rigidez preconceituosa que guia os povos de Olivarum: cada raça mágica não pode possuir contato direto com as outras. Assim que a jovem princesa começa a entender que essa lei não segue os ensinamentos da Verdadeira Trindade e que tudo que sabia até então não passava de uma farsa criada por governantes ambiciosos e controladores, Amie começa a se questionar sobre tudo em que lhe obrigaram a acreditar durante toda sua vida.
Com uma narrativa envolvente e empolgante, A princesa de Ônix nos faz mergulhar em um viagem fantástica pelas diversas mitologias dos seres mágicos de Olivarum a partir de um ponto de vista único e cheio de mistério; além de nos  fazer refletir sobre a liberdade, as diferenças e, acima de tudo, a importância do amor.

 “O amor é uma arma poderosa. Ele pode machucar, fazer sofrer, mas no final sempre valerá a pena”
 Ipsa Trinitas

Por, Íris Constantino.

domingo, 8 de outubro de 2017

Fabiano Alexandria é o nosso primeiro parceiro da nossa volta! 

Há uns dias atrás, quase um mês, fui surpreendido com a noticia de que Fabiano aceitara a solicitação de parceria com nosso blog. Fiquei intensamente realizado, por vários motivos. O primeiro é que ele é Paraibano. A segunda é que ele é escritor e a terceira é que ele é um dos poucos que dão a oportunidade a blogueiros a conhecerem as maravilhas que são produzidas aqui no Brasil, mas que são desvalorizadas e com custos altíssimos para adquirir.





Fabiano Alexandria é medico Pediatra e trabalha como terapia intensiva. Fã de Gênero de romance policial, estreia seu primeiro romance adaptado em sua cidade com vários aspectos e referencias históricas reais, numa empolgante aventura envolta em mistérios. Nascido em João Pessoa, Paraíba, em 1968, iniciou o gosto de leituras antes mesmo dos 4 anos de idade, colecionando HQs e Livros de suspense policial.

Seu primeiro livro de romance policial, o que receberemos em breve, Rio dos Ventos, será degustado e resenhado aqui no nosso blog. Fiquem ligados!















Por, Eduardo Vicente.